quarta-feira, novembro 30, 2005

Primeiro pedido para 2006


terça-feira, novembro 29, 2005

Eu

Na noite passada

tive sonhos estranhos. Tava na África. E olha que nem jantei tarde nem nada. Não deve ter sido má digestão. Jantei meus amados tomates. Não sei como não enjoo dos tomates. Sério mesmo. O gosto é tão bom, o cheiro é tão bom... a única coisa ruím é que sempre acabo queimando um pouco a língua. Tenho que parar de ir fazer só quando já estou varada de fome ou qualquer dia vou acabar comendo tomate cru - que aliás eu adoro mas não no jantar.

Hoje, foi só moleza. Amanhã, dureza; estudar pro concurso público, trabalhar, enfim...

2005 tá acabando e tenho que me esforçar pra não entrar no clima de feriadão antes do tempo. Preguiça não falta. Desânimo é a palavra certa. Me sinto até mal pensando no montão de problemas que um montão de gente tem mas também tenho os meus. Sei que há muita gente em situação pior mas isso não é nada animador. É horrível pensar assim, desanimada. Fica parecendo que não vi as pequenas alegrias que tive este ano, que não dou valor a saúde que - Graças a Deus - não falta nem a mim nem às pessoas que eu amo... mas eu vejo isso sim. E Deus sabe que sou grata de todo coração e se não sou capaz de dar-me por satisfeita e espantar o desânimo é porque a minha ainda é uma alma imperfeita...

Tenho medo que Deus se aborreça comigo... putzzz :-(

Mas esta alma imperfeita, no dia 31, vai agradecer pelo que tem e pedir um montão de coisas pro Altíssimo. Ói, Deus, minha lista vai ser bem grande só pra garantir que não vai faltar opção na hora de escolher qual pedido meu atender:-)

segunda-feira, novembro 28, 2005

Estou

de novo, tentando achar um livro que queira ser lido por mim. Estou há mais de 2 semanas sem leitura. Jornal? Não conta.O problema nem é falta de opção porque há um monte de livros me esperando - por assim dizer - mas não são exatamente o que eu gostaria que fossem. Vou ler esses também mas não agora. Tô numa fase tão sem saco que é melhor não começar o que sei que não vou acabar. O negócio é facilitar em todoooos os aspectos. É pra ler? Então que seja um livro bem do meu jeito. E é um jeito meio complicado.

Em agosto li um livro assim, bem do meu jeito. Relutei pra começar por causa da autora. Zelia Gattai estava riscada da minha lista de possíveis autores desde que saiu em defesa do "painho" ACM após o escândalo do painel no Congresso. Tá pensando o quê? Tenho memória! E foi assim que a Gattai morreu pra mim naquele dia. Mas, sendo também filha de anarquista e tendo vaga lembrança da reprise da produção global inspirada no livro "Anarquistas graças a Deus", resolvi deixar de lado a decepção e ler finalmente o livro que há muito me chamava com insistentes heiiis e psiuus.

Porém, não li sem antes dar uma folheada básica pra ver se não tinha traços do Amado pelo livro - detesto Jorge Amado mas normalmente não digo isso em público por temer a subsequente tentativa de linchamento que a frase provoca. Até quem nunca leu Jorge Amado se dá o direito de me criticar, pode? Gosto é gosto. Ponto. Não tinha traços dele no livro da Gattai e - também por isso - amei o livro.

Aliás, adoro lembranças e livros inspirados em lembranças. A cronologia das lembranças é sempre muito mais interessante quando as datas são incertas e resta só a ordem dos fatos baseada na relevância deles. Ou seja, livros cheios de história são os meus preferidos desde que não sejam milimétricamente precisos. Gosto do tom nostálgico. Será doença? Freud deve explicar isso também...

Pois bem, estou em busca de um livro como esse da Gattai. Divertido, histórico e emocionante. E que dê uma piscadela pra mim na primeira folheada... hehe... ando precisando ser conquistada nem que seja por um livro!

Enquanto não acho o livro ideal para o atual período, sigo fazendo o de sempre. Tô meio sem saco pra tudo. Já disse isso. Putzzz. A novidade porém é que estou fazendo uma boneca de pano. Adoro artesanatos feitos com tecidos. Comprei um revista sobre bonecas de pano e resolvi tentar fazer uma pra minzinha. Já que o céu não me manda uma filhota, vou aprendendo a fazer bonecas de pano mesmo. Nada é perfeito. Paciência.

No mais, noite de segunda é sempre a mesma chatice. O travesseiro - ao menos ele! - me chama.

domingo, novembro 27, 2005

Xô, preguiça!

Faz tempo que não vou ao cinema. Pensei em ir ontem mas não fui. Preguiça é um bicho poderoso. Mas não era só a preguiça... é que não fiz as unhas, acordei meio mais ou menos, fiquei me olhando torto, me sentindo um ba-ga-ço!

Tenho realmente que malhar. A casa caiu. E não tem coisa pior do que mulher magra e mole -Bleeaaargh!

Tudo bem que eu aiiiinda não estou em estado calamitoso. Isso não! Mas o processo de queda livre começou e tenho conseguir bloquear isso logo. Urgente urgentíssimo! E se tem uma coisa que me faz não querer sair de casa, é me sentir feia.

E como eu não pretendo ficar pra sempre dentro de casa, amanhã alguma atividade física me espera. Provavelmente aquelas caneleiras vão servir pra começar. Bikini novo, me aguarde! :-)

sexta-feira, novembro 25, 2005

Sintomas da chegada do natal

Uma tia minha vem passar uns dias - espero sejam só uns dias! - aqui em casa. Não a vemos desde 2001 e ainda não deu pra ter saudade dela. Olha que simpatia! Mas família é família e ela tá precisando de apoio e carinho. Vai girar um pouco nas casas das irmãs. Onde começa o tour? Aqui em casa, oras!

Nem é a casa maior mas todo mundo gosta de pousar por aqui... e isso enche o coraçãozinho de minha mãe de orgulho - e o meu também :-)

Por falar nele, meu coração está arrumando as malas. E quando meu coração está assim, significa que eu tenho que me mexer pra bancar a viagem. Nem acho que o problema seja tanto o lugar mas é o que falta ainda na minha vida que eu tenho que ir buscar. Um chão, um canto, uma pizza super quentinha talvez...

O que sei é que hoje, percebi que preciso temporariamente parar de me conceder meus carboidratos e açúcares preferidos. Leia-se: minha calça jeans favorita está apertada e agora estou de dieta.

Vai durar até o natal provavelmente porque não há dieta que resista a um prato cheio de fatias paridas e a todas as outras delícias natalinas da casa materna!

segunda-feira, novembro 21, 2005

Sem meu Frajola :-(

Segundona chata e a saudade enchendo o saco! Tô tão boba que só vendo... ou só cantando. Gosto dessa música. Porque nem só de rimas ricas vivem os corações que amam! :-)

Fico assim sem você

Avião sem asa,
fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
Futebol sem bola.
Piu-Piu sem Frajola
Sou eu assim sem você
Por que é que tem que ser assim?
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
Vão poder falar por mim
Amor sem beijinho,
Buchecha sem Claudinho
Sou eu assim sem você
Circo sem palhaço,
namoro sem amasso
Sou eu assim sem você
Tô louca pra te ver chegar
Tô louca pra te ter nas mãos
Deitar no teu abraço,
retomar o pedaço
Que falta no meu coração
Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo
... Por quê?
Neném sem chupeta,
Romeu sem Julieta
Sou eu assim sem você
Carro sem estrada,
queijo sem goiabada
Sou eu assim sem você
Por que é que tem que ser assim?
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
Vão poder falar por mim
Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo
... Por quê?

Depilé

Definitivamente meu corpinho não foi feito para abrigar pelos que não sejam os cabelos sobre a cabeça e as sobrancelhas. Nem por isso detesto menos a depilação. Uso um creme razoavelmente eficaz e assim, me salvo da dor da cera quente ou fria. Mas pra que o tal creme faça o efeito desejado, tenho que passar uma enorme quantidade e espalhar beeeem por toda a área afetada por esses desagradáveis.

Resultado? Um banho que deveria durar uns 40 minutos acaba durando duas horas. Fico toda retorcida porque as posições não são nada fáceis se é que me entendem... Claro que se eu fosse menos perfeccionista, passava tudo mais ou menos e ok. Mas não. Só me dou por satisfeita quando todos os indesejáveis abandonam a superfície do meu corpinho. E Ô coisa boa que é ter as pernas e adjacências lisinhas depois dessa trabalheira toda! :-)

Aliás, outra coisa boa é perceber que os anos de ballet clássico fizeram efeito. E se até o fim desta encarnação eu não executar todas as posições do kama não vai ser por falta de elasticidade! ;-D

domingo, novembro 20, 2005

So boring...

Rico brasileiro tem que ser fútil? Me pergunto o que passa na cabeça dos semi-famintos quando vêem os Amaurys da vida entrevistando aqueles bolsos ambulantes em festas chiquérrimas... Se alguém conseguir prestar um pouco de atenção nessas entrevistas, vai perceber que não faz-se mais rico como antigamente. E que a sofisticação - de estilo e de ilustração - está sempre mais presente em outras classes e menos nos endinheirados. A Bastilha começou a cair assim...

Depois

de umas fatiazinhas de pão fritas - com alho e uma pitadinha de sal - no azeite... e uma caneca cheia de café com leite quente, até um chatérrimo fim de noite de domingo fica gostoso ;-)

2005

Vai mesmo acabar... não vejo a hora! Sinto que minha vida parou em algum dia entre março e abril. Será que só eu tenho essa sensação? Já senti isso algumas vezes na vida... tudo em camera insuportavelmente lenta.

Não gosto da idéia de ficar longe dos meus pais de novo mas paciência... son cose della vita. Ainda nem sei se dentro ou fora do Brasil mas vou, aliás, já estou indo pra algum lugar. Uma parte de mim já foi.

sábado, novembro 19, 2005

Quegli attimi che mi dai

Ramazzotti realmente me faz bem... a voz dele não é lá essas coisas mas vence pela interpretação. Eu, o sábado, a manhã, a preguiça e Terra Promessa no stereo. Já perdi a conta de quantas manhãs de sábado passei assim. E o pior é que ainda gosto muito desse som. E ó ele aí... "Se ci hai creduto davvero come ci ho creduto io, sarà, sarà l'aurora... per me sarà così. Sarà, sarà di più ancora... tutto il chiaro che farà!"

quarta-feira, novembro 16, 2005

Resumo...

Sou boba mesmo... tô contentinha só de saber que ele leu e guardou os emails. Fontes seguras valem ouro. Já disse que o FBI deveria me contratar! Mas acho que eles ainda não leram o meu blog ;-)

Com a grana curta, tudo que posso fazer é rezar e esperar. Concordo que dinheiro não traz felicidade mas que é uma mão na roda ah isso é! Eu, por exemplo, dormiria mais tranquila se não tivesse contas pra pagar logo alí me esperando. E ficaria bem feliz se tivesse ao menos a grana pra pegar um avião hoje, atravessar o oceano e poder dizer na cara dele tudinho que escrevi naquele email. Telefone? Não funciona nesses casos...

Pensando em grana, fiquei mordida com o Palocci falando hoje na tv. Do jeito que o cara falava tive a impressão de que eu e o ministro não moramos no mesmo país. Aliás, nem no mesmo planeta! Quer dizer que tá tudo ótimo e eu é que tô tendo um pesadelo? Ahã... sei... E todo esse mar de desempregados tá tendo uma alucinação coletiva, né? Então tá...

Yesterday...

Por quê eu faço isso comigo? Eu me gosto. Não sou daquelas mulheres que se desprezam e se arrastam aos pés dos homens que amam. Não sou dessas. Sério mesmo. Houve um tempo - longo - em que acreditei que bastava haver amor e tava tudo resolvido. Até que esbarrei no orgulho supremo em pessoa. O bicho mais doce e orgulhoso que Deus colocou sobre a Terra: ele, aquele, o cara que eu - justo eu - amo.

O email não foi tão longo quanto eu gostaria nem tão curto quanto deveria. Ele leu mas não respondeu. Escrevi no horário de almoço dele pra não ter dúvidas de que ele iria ler. Perguntei - sem dizer o motivo - pras minhas fontes como ele estava ontem e me disseram que pela manhã tava apagadinho ( Se eu fosse muito boba acharia que ele lembrou da data mas ele mal lembra do próprio aniversário! ) mas o encontraram ainda no escritório quando voltaram do almoço. Bom começo? Deve ter ficado lá no "respondo ou não respondo" e o tempo passou. Só pra me deixar na expectativa aposto... maldade mesmo, sujeira...grrrrrrrr...

Ou talvez ele esteja mesmo decidido a manter o adeus ad eternum? Uffff... não gosto nem de pensar nisso. Mas acho que devo, oh yes, devo pensar :-(

domingo, novembro 13, 2005

cannoli, caffè e saudade

Domingo não foi muito diferente de sábado e de outros dias da semana que passou. Agora a noite, lembrei de coisas gostosas que vivo prometendo fazer aqui em casa. Cannoli e torroni siciliani, calzoni alla ricotta e prosciuto, melanzane sott'olio, la pastiera, il babà, la focaccia - a napoletana com scarola e a genovese com ulive - e i ravioloni com vedura. Também queria fazer gnocchi al pesto mas não acho os pinoli e pesto sem pinoli - Belin! - não é pesto genovese.

O meu jantar melhor do mundo porém não dá pra fazer aqui. Tive com ele em um lugarzinho chamado "Pizza a pranzo" (Pizza no almoço) que, apesar do nome, funcionava também de noite mas não até tão tarde quanto nós gostaríamos! Uma noite, depois de muito girar de mãos dadas como dois doidos - gente normal ficaria em casa no quentinho - aquele era o único lugar aberto. Pequenino, apertado e fechando... Mesmo assim, nos receberam e pra não causar transtorno ainda maior, pedimos e pizza que já estava pronta... e fria... na vitrine do balcão.

A Roma jogava naquela noite. Lembro de ter visto na tv no alto da parede, o Cafu fazer um belo lançamento e depois... lembro só daqueles olhos claros e enciumados. Não olhei pra mais nada depois. Tava tão dengoso naquele dia;-)

Se fecho os olhos - e até sem fechar...- ainda vejo aquele rosto nos mínimos detalhes.

Acho mesmo que vou escrever. Por onde eu começo? Hummm... tantas coisas...

sábado, novembro 12, 2005

Coisas pra dizer

Todas as CPIs deram em que mesmo? Em nada. Ontem o Jabor resumiu bem a palhaçada geral. Não aguento mais a cantinela "não há provas". Claro que provas no papel não há nem vai haver nunca! Já viu ladrão passar recibo?

Não gosto de blogar certas coisas misturadas a outras coisas... mas é o meu blog, né?

Então tá tudo certo. Também nem gosto de ficar despejando aqui minha meia tonelada de burrice emocional mas... se só estás tu vais tu mesmo!

Bolei uma tática pra aliviar meu coração. É bem kamikase... vou escrever pra ele logo. Antes que a coragem passe. Vou escrever uma linha por dia, até o dia 15, quando pretendo escrever bem mais que tudo. Não acredito que ele responda. Orgulhoso. É do tipo que não suporta que alguém diga "adeus". Se alguém tem o direito de dizer isso é ele somente e mais ninguém.

Acho que a mãe dele tem culpa nisso- ó eu botando a culpa na mãe, superclichê isso! - Mas realmente ela deixou ele meio de lado quando nasceu o segundo filho. E hoje, o que ele tolera mais dificilmente na vida é o abandono. Note-se porém que se for ele a abandonar, tá tudo certo - desde que a outra parte não concorde imediatamente! E foi o que eu fiz - só pra contrariar. Mas for ever é muito tempo...

Pensei em mandar algo assim hoje: SAUDADEEEEEEEEEEEEEEEE.

Porque essa é a única palavra que ele pronuncia direitinho em português :-)

Mais kamikase impossível, né? Ele vai praguejar mas vai gostar... Veremos!

sexta-feira, novembro 11, 2005

Hoje, xeretando o blog alheio :-) acabei pensando em crianças... ooOOÔ grande novidade! Eu sempre penso nas crianças que eu quero ter. Lembrei até da música do Toquinho - ou será que é do Vinícius? - enfim, lembrei e cantarolei e imaginei rostinhos bochechudos, com o furinho no queixo - que eu adoro - e rosados como o pai, isto é, se for ele o pai. E, ao menos nos meus sonhos, ainda é aquele cara lá o pai dos meus filhotes.

Mulher é bicho muito burro messssmooooo! :-(

quinta-feira, novembro 10, 2005

@#$%¨&*!

Grrrr... romantismo é o Ó! Ando tão assim, tão rosinha, tão boba, tão Cinderela - na Maccheronia chamam isso de complexo de Cenerentola - mas eu não saí de um conto de fadas nem quero entrar num. Saí de uma "estória pra boi dormir" e devo estar querendo entrar - reentrar - numa "estória da carochinha".

Ontem, olhei várias vezes pr'aquela gaveta mas não abri. Jurei não abrir por enquanto. Enquanto eu estiver "assim". Masoquismo tem limite! Limitei meus agudos de saudade ao blog e às fotos que tenho no pc. Olho, fecho, trabalho, navego, olho de novo e assim foi ontem...

Ô vidinha besta e difícil sô! Sumano mora lá do outro lado e eu aqui querendo ver! Eu devia era ter me apaixonado pelo meu vizinho que, querendo ou não querendo, vejo todos os dias. Mas não. Fui amarrar meu burro à sombra de um vulcão, no sopé d'uma montanha, na beira do golfo de Napoli e deu nisso. Merrrrrr... Tô com saudade e não posso nem ir espionar um pouquinho e fingir que encontrei ele por acaso... puttttzzzzz...

Pensei em escrever tudinho em umas mal traçadas linhas mas o problema seria o depois... me conheço. Preciso de maiiiiis muito maiiiiiiiis do que ele seria capaz de fazer. Precisaria desenrolar tudo de uma vez só pra sempre. De março pra cá não moveu uma palha. Continua no estado catatônico com que empurra a vida com a barriga - que aliás ele nem tinha e está começando a ter por sedentarismo absoluto.

Sinuca de bico pra mim :-(

Pedaços do pedaço de mim

"Oh, pedaço de mim
Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar
Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais (...)"

quarta-feira, novembro 09, 2005

Geral

Mesmo liderando o campeonato, meu time do coração não consegue me empolgar. Não sou nem sombra da torcedora que já fui. Época em que ser corinthiana era bem mais emocionante. Acompanhei jogos, sofri e até chorei de emoção ao ver o timão em campo, resistindo bravamente, com 9 jogadores contra um time de camisa verde e de nome impronunciável que tinha na ocasião os 11 em campo. Confesso, que até cheguei a ser assinante da revista placar entre os 13 e os 14 anos para desgosto profundo de meu pai, nada afeito às paixões de massa como o futebol... pro meu papito, eu estava sucumbindo ao poder massivo da tv. Mas depois ele entendeu que se tratava tão somente de identificação com o time que sofria para vencer e até perdia mas sempre lutando até o fim.

Justamente por isso, já não consigo torcer como antes. Venderam a mágica para um mafioso qualquer que contrata uns jogadores milionários e mercenários que nada sentem pela camisa que vestem quando entram em campo. Não são nada perto de Marcelinho, Neto, Casagrande ou Rivelino. Enfim, não tem nada a ver! E eu tô de saco cheio de olhar pros jogos e não achar divertido. Não vou mais olhar.

Aliás, essa minha fase down não se aplica só ao futebol. Estou nuns dias sem T grande. E dias sem T grande são estranhos. Não tem só a ver com aquele T grande. É uma crise de T grande geral. Falta aquilo que in italiano chamamos grinta, que resume: entusiasmo, vontades, força. Falta tudo isso aí e mais um pouco...

A vida de amar o errado - que no fundo é o certo - tem tido dias assim muito estranhos. Porque amar abandonada é tortura desumana. Melhores são as histórias que acabam mal. Que deixam mágoas e ofensas terríveis. As que são tortuosas demais e só por isso terminam, deixam essa sensação horrível de que poderia - ou ainda pode - ser diferente.

Espero mesmo não ser a clássica pessoa que ama uma vez na vida e nunca mais. Não joguei pedra na cruz, disso eu tenho certeza. Tem que ter jeito pra sair disso... ou de recomeçar com o errado do jeito certo.

Resposta ao tempo

O tempo passa, o tempo isso, o tempo aquilo, o tempo cura, o tempo leva, o tempo ensina... Haja atribuição pro mesmo tempo! Sete anos e nada que passa, nada disso, nada de cura, nada de levar, nem de ensinar direito. Porque sempre fui boa aluna e se o tempo fosse bom professor, eu teria aprendido.

O tempo me deu calote!

Managgiiiiii'...

Resposta ao Tempo
- Cristovão Bastos e Aldir Blanc

"Batidas na porta da frente
É o tempo (...)
Ele zomba do quanto eu chorei
Porque sabe passar, e eu não sei
Num dia azul de verão, sinto o vento
Há folhas no meu coração
É o tempo (...)"

...che io vivo attraverso gli occhi tuoi

Esses sonhos diurnos não estavam no programa. Deve ser por causa da data - fatídica - que se aproxima. A data que já foi a mais feliz. Literalmente "A DATA". A que dividiu minha vida em antes e depois. O dia em que conheci chellolà. Voltam cheiros, texturas, cores e sabores... coisas do cérebro... e do coração. E sim, ainda queria muito ver aquele no dia 15 pelo menos. Queria, quero, quererei... quiçá até quando.

segunda-feira, novembro 07, 2005

A Hebe

Camargo é mais conhecida aqui em casa como "Bebe qu'é Amargo"... de vez em quando, arrisco a vida dos meus neurônios entrevendo o programa da velhota nas noites de segunda - obviamente, mudo de canal nos momentos "filosóficos" da apresentadora. Esta noite porémmm... poderia escutar tudinho desde que ela deixasse o ainda afinadíssimo, elegantíssimo e charmosíssimo B.J Thomas cantar durante todo o programa! Mas foram só 2 canções e bye... Uma pena mesmo!

Ele é a prova viva de que não fazem mais homens bonitos como antigamente! Um lord: lindo, com uma voz maravilhosa, afinado, charmoso... e nem ficou careca! O James Taylor não teve a mesma sorte, tadinho :-(

domingo, novembro 06, 2005

Licopeno e Serotonina

Receita barata da minha felicidade - ainda que momentânea:
3 tomates, un fio de azeite de oliva, 1 dentão d'alho, 1 pimenta vermelha, 1 copo d'água e uma pitada de sal (+ ou - a ponta cheinha da colher de sopa). Fritar a pimenta e o alho no azeite, acrescentar os tomates cortadinhos e depois a água e, por último o sal. Deixar lá até virar um molho grossinho. Receita óbvia mas boaaaa... tomo um pratinho cheio e tô outra, nova!

O amigo Lico é liberado em maior quantidade e mais facilmente absorvido pelo organismo quando o tomate já foi submetido à alta temperatura. E daí? E daí que o Licopeno faz um bem danado pra pele e é anti-câncer e anti-ummontãodecoisasruíns! Muito bom mesmo pra saúde!

A amiga Seró fica por conta do meus chocolatinhos de sobremesa. Qualquer chocolate meio amargo ou um Alpinooooo. Vulpt, rápido e eficaz. Bem estar total e efêmero, é verdade. Justamente por isso, amanhã, faço tudo de novo... hehehe...

Evviva la pappa con il pomodoro!!!!

sábado, novembro 05, 2005

Novela da vida privada

Uma das coisas que mais me faziam falta na Itália eram as lojas 24 horas, as locadoras 24, as farmácias 24 horas... enfim, tudo que o nosso consumismo fez evoluir e que a social-democracia italiana conseguiu conter. Ontem, tive vontade de ir locar um filme mas era super tarde e pensei "deve estar fechada." Aí, as 3 da madruga, deitada na cama ouvindo meu CD da Mariella Nava e tentando ler finalmente as últimas páginas do livro, lembrei "A locadora não fecha, imbecil" Grrrrrrr... Mas tava tarde mesmo, não tiraria meu pijaminha àquela hora por nadica.

O último capítulo d' A Merreca teve público record aqui em casa. Babbo (viu só o finalzinho mas viu), mamma, mano, cunhada e eu... só faltou meu irmãozinho caçula, felino que vive feliz sem saber o que é tv (o que ele ama mesmo são as caixas de som, passa horas diante delas tentando descobrir quem tá lá dentro hihihi).

Depois da cena coletiva final - clássica dos autores que não sabem mais o que escrever pra fechar a novela e colocam todo mundo cantando junto no final, no estilo "we are the world" - ooohhhhh yeeesssss mudamos de canal.

Belíssima? Como assim?! Mas não é um remake de Celebridade? ;-)

sexta-feira, novembro 04, 2005

Tinha que fazer...

muitas coisas... mas eis que chegou a noite e não fiz tudo o que estava no programa. Nunca consigo. Putzzz. Mas não era mesmo o dia certo pra organizações. Hoje é sexta. Paciência.

É sexta e tem o último capítulo da novela das oito! Nem acredito! Palmas para a novela mais sem pé nem cabeça dos últimos anos. Novela é coisa muito séria, dizem os intelectuais mexicanos. E eles devem ter razão, afinal, essa invenção doutrina milhões de pessoas no mundo inteiro principalmente na Amárica Latina. Mas eu não teria saco pra estudar as telenovelas... novela só dá pra ver se não tiver que pensar. Ou eu penso ou eu vejo. Porque se eu pensar um pouquinho eu desligo a tv e vou dormir... E, por falar nisso, ninguém mereeeeceeeee Bang-bang... ousei acompanhar uns capítulos e quase tive um treco de tão chata que é a trama, aliás, pra chamar de trama tem que melhorar ainda um bocado, viu. E só tentei acompanhar porque tão lá o Mauro Mendonça, o Ney Latorraca e a Joana Fonn e nem assim deu pra engolir.

Cada vez mais me convenço de que devo mesmo ligar a tv só na hora dos telejornais. Pulando porém a hora do jornal Hoje da globo. Não tolero mais o sotaque da Annemberg. Meu Deus do céu, o que é aquilo que ela faz com a língua nos ãos e ões? Sem falar no tom teatral que ela tem. Bem que podiam deixar o Evaristo apresentar sozinho, né?

Ok, ok... tô meio malvada hoje - mais do que de costume - mas o tal sotaque me dá raiva mesmo. Pouca gente sabe mas os reporteres das regiões norte, nordeste e centroeste não têm vez na Globo por causa dos sotaques (inexistentes no caso do norte e do centroeste). Tem um monte de outros podres sobre a "política global" para definição dos reporteres de rede... mas deixa pra lá. Já falei mal demais por hoje. Mais um pouco e morro envenenada...hehehe...

Já vou, já vou... fui.

Salerno... Mare&Montagna


...de noite ou de dia, l'altra casetta mia

Tenho que...

terminar 2 trabalhos, sair com mamma pra escolher os óculos novos dela - adoro quando ela me pede opinião - tentar remediar a bagunça no meu quarto, organizar as gavetas de roupa no armário, abrir esta meleca de mouse e limpá-lo por dentro - nunca vi casa pra receber tanta poeira todos os dias como a minha!!! - comprar minhas vitaminas e meu creme Dove firmador que acabaram.

Tenho que ligar pras minhas amigas e tentar marcar um giro pra amanhã, tenho que escrever um longo e-mail pra uma amiga que está no México e esquece de me mandar notícias, tenho que ver se o edital do bacen já foi publicado, tenho que preparar meu molho de tomate hoje de qualquer jeitooo... tô há dias passando vontade e sem coragem de ir pra cozinha. Preciso urgente de uma extrasuperdose do tal licopeno do tomate. Sou licopenodependente. Ou melhor, sou pomodorodependente. Gnamm... acho que nem vai dar pra esperar a hora do almoço :-)

Este troço de blog é tão estranho. Até que me distrair aqui é legal. Isso, claro, quando o blogger não resolve cortar meus posts pela metade antes d'eu clicar no "publicar postagem" ou quando não some o texto inteirinho e me faz jurar que nunca mais escrevo aqui.

Continuo achando que devia mudar o nome do blog pra "woman in progress" mas tá muito batido esse "in progress". Talvez eu deva mudar pra "Salvietta in progress for ever and ever". Acho que esse fica melhor. Sei não. Tá meio bobo ainda mas vá lá. Que seja!

As vezes tenho vontade de fazer um outro blog, com textos sobre outras idéias mas não sei s eu ia ter saco de blogar tanto assim. Me conheço... tem um, pra quê outro? Essa minha característica deve ter a mesma origem da minha monogomia. Enfim, Freud explica melhor. Eu também vim pra confundir e não pra me explicar.

Fato é que tenho saco pra um blog só. Mas as vezes começo escrevendo sobre mim e termino pensando nos pingüins lá não sei onde e fico constrangida em colocar tanta bobagem num texto só. Tudo culpa daquele meu professor de redação jornalística I, castrador, ainda ouço ele dizendo "coerência! sejam coerentes!" Tudo bem, ele se referia a outros textos mas fiquei com isso na cabeça. Me trava de vez em quando.

Ai ai... ao invés de estar aqui escrevendo eu queria mesmo é estar sentada num banquinho no Lungomare de Salerno, olhando o mar. Faria o mesmo efeito mas muito muito mais intenso...

Vurriaaaaa vurria vurriaaaaaaaaaa... ma stongo n' croce.

quinta-feira, novembro 03, 2005

A entrevista, cabelo, unhas, mãos, etc.

Na schifezza! Uma meleca... Ridícula mesmo. Depois de explicar por A mais B o quanto seria bom o trabalho na empresa - uma franqueada de uma multinacional locadora de carros - o gerente geral me perguntou, todo entusiasmado, se eu gostaria de continuar no processo seletivo que inclui mais uma entrevista na agência. Eu, educadíssima, disse que sim usando todo o meu cinismo e, na saída, ainda ouvi o cara me dizer o quanto estava contente por alguém com o meu curriculum aceitar as condições que, só no início - segundo ele - não são as melhores mas que depois melhoram com os adiconais, a participação nos lucros, plano de carreira, etc, etc... O resumo da opera é sempre aquele: querem gente qualificada sem ter que pagar por isso!

Então ! Que esperem sentados que em 3005 estarei lá pra próxima entrevista do processo seletivo! Por quê será que todo empresário acha que todo candidato à vaga é otário? Eu heinn... pra essas coisas eu não sou besta não. Já fui muito, agora tô escolada.

Depois da enrolação da entrevista, precisei me recuperar moralmente. Saber que alguém achou que conseguiu me enganar é horrível, então, dei um trato geral nos cabelos. Uma guaribada básica me faz um bem danado. Lavados, cortados, massageados; os meus cabelos estão mais decentes agora. Até pensei em fazer as unhas. Ultimamente ando com uma preguiça de cuidar das minhas unhas mas promessa é dívida. Nunca mais faço as unhas em salão. Nem que seja o mais sofisticado e higiênico do mundo! Em casa, com toda a calma, dei o trato geral. Pés lisinhos, mãos impecáveis. Não tirei nem um bifezinho! Até que levo jeito pra coisa :-)

Aliás, adoro minhas mãos quando estão assim, com as unhas bem certinhas, ligeiramente quadradas, ligeiramente compridas, com o Cannes - meu tom favorito de esmalte - uma base branquinha clara que combina perfeitamente com as minhas mãos! Adoro também quando todo mundo pergunta como faço essa tal "francesinha" tão suave nas minhas unhas e adoro mais ainda explicar que não fiz nada não. Minhas unhas é que são assim bem branquinhas nas pontas como se fossem pintadas de branco só nas pontas. Deve ser excesso de cálcio pelo tanto de leite que bebo todos os dias e mais o cálcio dos complexos de vitaminas de tomo; fato é que minhas mãos fazem sucesso mundo afora e gosto disso... hehehe...

Mas chega de falar de mãos. Por enquanto, é impossível olhar pras minhas mãos e não lembrar das dele apertando as minhas. Adorava ficar assim, horas de mãos dadas, silêncio, sorriso, beijos, idéias, sonho booommm... ufff...

Preciso achar mais coisas pra fazer porque só o mantra não tá bastando pra segurar meus impulsos burrísticos agudíssimos. Tô ferrada mesmo :-(

quarta-feira, novembro 02, 2005

Notícias, saudade e burrice. Muita burrice!

Detesto abusar dos empréstimos de palavras e hoje eu abusei disso. Mas foi por uma boa causa, pra reter a vontade de escrever todas as bobagens que me passaram pela cabeça desde que acordei assim... toda coração.

Agora, que o dia está acabando, posso escrever mais tranquila. Não sei o que há comigo. Tenho vontade de fazer uma besteira, de falar com ele, aquele, O cara. Seria fatal. Seria ridículo. Seria jogar fora meses de esforço e determinação em não cometer os mesmos erros do passado. Ele decidiu, ele quis assim, eu só assinei embaixo com veemência ao dizer adeus. Mas for ever é muito tempo. Eu sabia.

Foi só saber que ele está de cama de novo que derreti. Eu mereço! Idiota. De mim não tenho pena e vou ter pena logo dO cara?!

Imbecil. Quem mandou ele não cuidar daquela bendita coluna?! O dia todo naquele computador, 1,86 cm de homem enrolado feito caracol por horas e horas trabalhando, tenso, todo perfeccionista como sempre...

E a nariguda não faz massagens como a trouxa aqui fazia, ela quer mais é que ele fique bem fraquinho, magro sem massa muscular pra concorrência não chegar junto... BEM FEITO! Deu nisso: três dias de molho pra aprender a se cuidar!

E eu com pena dele, com vontade de pegar ele no colo, dar beijinhos e beijinhos e sentar lá fora olhando o céu... eu sou uma mer...

Tenho que me segurar.

Um mantra talvez ajude... nãooonnnn... nãooonnnnnnnn...











"... não sei nem chorar
Sou chama sem luz,
jardim sem luar,
luar sem amor,
amor sem se dar
Eu sem você
sou só desamor
um barco sem mar,
um campo sem flor
Tristeza que vai,
tristeza que vem
Sem você, meu amor,
eu não sou
ninguém
Ah, que saudade..."

Em Mayakovsky e...

.............................
Também em mim,
a anatomia
enlouqueceu.
Sou toda coração.
.........................
Pedacinho de um desenho meu de 2001.
Não gosto de fazer posts com desenhos.
Mas esse aí já tá "registrado",
usei pra ilustrar webcards em 2002.
Hoje, tá aqui como foto de euzinha ;-)

terça-feira, novembro 01, 2005

Ubber

Uma americana doida por definições definiu os homens sensíveis e inteligentes como ubber-sexuais... segundo o Jornal da Globo, diz-que o TDB Bono Vox - buono até no nome - tá na lista dos ubber... e Oh, yeeeeesssss eu concordo! O Bono é tudo ubber de bom :-D

Ahhh se o Bono não fosse tão bem casado, eu investia nele, Ô se investia... me atirava no palco gritando with or without youuuuuuuuuuuuu!!!!!!!!

Mas por quê mesmo que eu comecei este post?
Ooopss...

Adiante...

Comecei a procurar o novo emprego. Detesto essa palavra. Parece uma coisa pesada e sem graça e pra mim, trabalho tem que ser tudo menos isso. Mas a verdade é que até hoje, não sei o que é me sentir à vontade no local de trabalho. Dizem que cada um tem o chefe que merece. Será? Já esbarrei em vários chatos, de todos os tiques e cores e idades e até de nacionalidades diferentes. Até hoje, tive somente um chefe simpático!

Pois bem, mandei curriculum pra várias agências e deu resultado (quase um milagre - pensei - agências de emprego nunca antes tinham funcionado pra mim!), na quinta, teria 2 entrevistas mas uma vou descartar porque conheço a empresa. Todos os conhecidos meus que trabalharam lá se auto-denominam ex-escravos. Além do mais é comunicação institucional, um Decom de uma empresa de transportes - cheia de pepinos porque tem a ficha sujérrima no mercado, enfim; uma fria. E ainda não estou no estado semi-miserável pra aceitar entrar numa fria dessas!!! Me erraaaaa...

Por falar em estado, meu coração - esse estupidinho! - dá voltas e cai sempre no mesmo ponto. Aquele ponto! E o pior é que sei que se eu voltar lá vou me arrepender amargamente. Desta vez, se alguém tem que dar o primeiro e decisivo passo é ele. E sei que provavelmente ele não vai dar esse passo. Sofro, melhoro, tenho recaídas, choro, levanto de novo mas sem aquela esperança de outros tempos...

Talvez um trabalho novo, com novas pessoas me ajude? Estou tentando ser otimista mas ó... falando sério... já não ouso mais fazer planos pra 2006. Nada mesmo. Vou ficar que nem o Zeca Pagodinho... só no "vida leva eu" e agradecendo pelo que já tenho.

E amanhã, mesmo tentanto ver o dia por outros ângulos, o dia é o que é: finados, ou seja; gente que sai cedo pro cemitério, as mesmas velhas matérias sobre o cemitério que lotou mais, o que teve menor movimento, o problema das sepulturas danificadas, as sepulturas mais visitadas, a venda de flores, o preço das velas, etc, etc, etc...

Pauta velha (sem trocadilhos, please!) é flórida! Uffff...