sexta-feira, julho 21, 2006

Berlinetta azul

Acho que este espaço está ficando com cara de reminiscência e não sei mais o que fazer para não cair na mesmice da nostalgia. Acho até que já caí. Putzzzz...

Mas vou escrevendo os textos que acontecem e nada posso fazer se há períodos - infelizmente longos - em que me pego rememorando até os detalhes de dias que se foram. Ultimamente, isso é uma constante... bem constante mesmo!

Acho que é porque tenho pensado muito nas crianças de hoje e nessa infância meio solitária que os pequenos nascidos dos anos 90 pra cá têm tido que viver.

Repleta de jogos eletrônicos violentos ou complexos, com pouca árvore para subir, poucos rios por nadar, poucas manhãs a correr com os amigos, poucas brincadeiras a imaginar, poucos papéis e tintas para colorir a vida; essa infância que vem redundando em muitos adolescentes problemáticos, com laços afetivos frágeis e em jovens cada vez mais individualistas e fúteis.

Não que a minha geração tenha gerado somente pessoas politicamente conscientes mas pelo menos, antes, nós sabíamos olhar em volta e procurar os porquês, ponderar, questionar, protestar, ir para a passeata se fosse preciso.

Meia entrada nos ônibus, nos cinemas, em eventos, direito ao voto em conselho escolar; tudo isso veio de lá, dos 30 anos que se foram 70, 80, 90. E a geração atual que não sabe de onde veio o que tem, não dá o devido valor e já começa a perder direitos adquiridos.

Juventude enfraquecida além de desorganizada...

Isso tudo aí é falta de uma boa bicicleta na infância!!! Falta uma Berlinetta azul como era a minha. Falta de asa pra voar! :)

3Comentários:

Blogger LdS disse...

Salvietta! Viva! tenho andado em exames sortidos, donde tenho restringido as minhas escritas, que não as minhas leituras. Estou cansado de todo! Dia 12, s.D.q., pego no meu filho mais novo, o Francisco, e vou até Pisa e Florença. Há muitos anos que o deveria ter feito.Embora certanente não lhe digam muito aí vou-lhe mandar uma colecção de "reminiscências de infância" daqui de Portugal. Talvez encontre alguma coisa de comum! Ciao!

2:40 AM  
Blogger Ana Luisa Lima disse...

Moça!

Quantas verdades!

Certamente, o ser consciente e reflexivo que me tornei é fruto da infância e adolescência criativa, rodeada de bons amigos.

HOje os amigos são invisíveis... Quando as crianças ainda se permitem se relacionar com alguém...

Uma lástima!

Que nossos filhos tenham um pouco mais de sorte...

=***

6:02 AM  
Blogger Calca-mar disse...

Hoje, em Portugal, decorridos 32 anos sobre a queda da ditadura, e na qualidade de professor, posso dizer-te que a maior parte da juventude não sabe o que é não ter direitos. Eu já cresci num estado "democrático", mas ainda tenho essa noção, apesar de em 1974 ter apenas 8 anos. São materialistas, e está tudo dito, até porque pensar dá muito trabalho!

10:04 AM  

Postar um comentário

<< Home