sexta-feira, setembro 22, 2006

Sol de setembro

Quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos...
Dois meses incompletos... que mais parecem dois longos anos. Estou destreinada. Não sei por onde começar. Do começo? Quero contar o principal e mais nada.
Setembro sempre me traz essa sensação de fim de ciclo. Mudança. Suave ou não. Podem dizer que tem a ver com a primavera do Brasil mas eu não sei o que é isso. Venho de onde ha somente 2 estações.
Cheguei aqui no fim de julho e chegar foi fulminante para ambos. Agosto correu como um velocista em final de olimpíada. Entre trabalho e amor, só sobrou espaço pra uns telefonemas para família e amigos.
E agora?
Depois de erros e acertos, sorrisos, gargalhadas, cafés, spaguetes, lágrimas, abraços e porquês, a mala está por ser feita. Pequena. Vai mais vazia do que veio. Mas ainda tenho muito mais malas por fazer em outubro. Volto pra casa. E minha casa mudou de lugar.
Quero a segunda parte da canção e todas mais que eu tiver para cantar.

Quero ver brotar o perdão onde a gente plantou juntos outra vez
Já sonhamos juntos semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz no que falta sonhar
Já choramos muito, muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar uma nova canção que venha nos trazer
Sol de primavera abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor
só nos resta aprender.

(Sol de Primavera, Beto Guedes)