quinta-feira, outubro 05, 2006

Nessa nova fase...

Faz-se necessário encerrar a anterior. Encerrar bem cerrada dentro e tirar dela só o melhor. Estou tentando fazer isso. E fazer bem feito.
Começo nova fase em outro lugar, com outras cores, outros sons e outros sonhos. Isso pede mesmo mais espaço, não cabe junto às coisas que se foram. Não gosto de longos textos de despedida. Fim de blog. Agradeço muito a companhia de quem esteve sempre por aqui :)
E sobre a nova fase, me encontrei nestas palavras:

A vida tem duas faces: Positiva e negativa
O passado foi duro
mas deixou o seu legado
Saber viver é a grande sabedoria
Que eu possa dignificar
Minha condição de mulher,
Aceitar suas limitações
E me fazer pedra de segurança
dos valores que vão desmoronando.
Nasci em tempos rudes
Aceitei contradições
lutas e pedras
como lições de vida
e delas me sirvo
Aprendi a viver.

Assim eu vejo a vida, Cora Coralina

segunda-feira, outubro 02, 2006

Acidente?

Enquanto os militares enfrentam a selva e a chuva para resgatar 155 corpos, enquanto não sabe-se o conteúdo das caixas pretas do boeing da GOL, enquanto as famílias das 155 vítimas esperam... por um milagre ou pela última despedida; gostaria de saber:
  • Como é isto dos passageiros e tripulantes do Legacy não terem visto nem ouvido nada da colisão se mesmo uma forte turbulência faz barulho dentro de um jato?
  • Terão sido também eles contaminados pelo vírus "eu não vi nada - eu não ouvi nada - eu não sei de nada" que circula em Brasília?
  • E por quê permite-se que todos os passageiros de um jato de táxi aéreo utilizem aparelhos eletrônicos durante um vôo se nos vôos domésticos das grandes companhias aéreas a utilização desses aparelhos é expressamente limitada?
E os kaiapós, povo forte e guerreiro, estão na serra ajudando nas buscas. Generosidade e honra. Eles sabem que nossa terra é boa mãe mas nestas horas é cruel com quem não a conhece.

TAP(eadores)

Eu bem que queria fazer um texto como se deve sobre meu regresso ao lar que não é mais tão meu.
Gostaria mesmo de escrever sobre como é irritantemente bom sofrer esse calor amazônida de outubro ou sobre como é bom ouvir minha língua com sotaque e inflexões das vozes queridas, sobre a emoção de ver os romeiros de longe chegando na cidade ou de tomar um prato cheio de tucupi mas... a viagem de volta foi degradante demais.
O que deveria durar pouco mais de 20 longas e cansativas horas, com escalas e trocas de avião incluídas, durou mais de 48 horas. E tudo por quê? Porque este ser desprezível que sou insiste em querer parar, ao menos por umas horas, em Lisboa mesmo sabendo dos rotineiros atrasos da TAP Portugal. O que eu não sabia é que os atrasos, assim como os serviços e a deseducação do pessoal de bordo da companhia, tinham piorado SIGNIFICATIVAMENTE entre 2005 e 2006.
Nem mesmo os taxistas de Lisboa querem ser pagos pelos TAPeadores! É mole?! Eles se recusam a levar os passageiros vítimas dos atrasos da companhia para os hotéis designados! Dizem que a os TAPeadores pagam uma tarifa baixa demais pelas corridas e os otários que, como eu, quiserem desesperadamente chegar até um hotel e desmaiar de cansaço sobre uma cama, devem pagar dos próprios bolsos as corridas ou humilhar-se o bastante para comover algum taxista mais caridoso!!!
Estou ainda transtornada. Fecho os olhos e lembro dos absurdos que tive que ouvir daqueles miseráveis da TAP... e nem vou falar do tratamento recebido no hotel VipArt's de Lisboa que é para não vomitar.
Racistas de merda há por toda a parte, sabe-se, mas há povos (ou frações de povos) que, pela própria história e pela própria condição, não poderiam mais se permitir tamanha pequenez.
Uma coisa é certa: a cor de meu rico e suado dinheirinho Lisboa e TAP não irão mais ver.